23 maio2022

    O biscoito satânico e o pão de alho que o Diabo amassou

    Leia também

    Influenciadora digital Ludja Victória participa do “Sal e Brasa Convida”

    A influenciadora digital Ludja Victória foi a convidada da...

    Influenciadora digital Giulia Thalia conhece as delícias do Mirante

    A influenciadora digital Giulia Thalia foi conhecer as delícias...

    Tac Tacs chega ao RioMar Aracaju trazendo o parque ‘A Fazendinha’

    Criados pelo Grupo Blitz, empresa especializada em gerar trabalho...

    Troca de material reciclável por árvores frutíferas

    Troca de árvores frutíferas e oficina de consumo consciente...

    Você nem imagina quanto mal pode se encerrar num mísero biscoito recheado. Até que você cai nas masmorras da internet e lê que o Oreo propaga a palavra de Satanás desde 1912, quando foi lançado nos EUA.

    Um diagrama tosco aponta as evidências impressas na própria bolacha, que é toda adornada com figuras em relevo. “Cruz satânica”, mostra a seta sobre a cruz de Lorena (símbolo da fabricante Nabisco, com duas barras horizontais de tamanhos diferentes).

    O esquema vê também referências maçônicas e astrológicas no biscoito. O observador conclui, então, que as figuras significam “a gente viverá no mundo satânico para toda a eternidade”.

    Eu acharia engraçado, se essas teorias conspiratórias ficassem circunscritas a meia dúzia de lunáticos pobres-coitados casposos. Não é o caso, basta olhar para o hospício que o Brasil se tornou.

    Voltando à indústria alimentícia, há lá ardis que vão além da conspiração delirante. Em especial, quando se trata dos ultraprocessados –comida fabricada com ingredientes alheios à culinária, cheia de aditivos emulsificantes, edulcorantes, estabilizantes e outros “antes”.

    O alimento industrializado não é feito por cozinheiros com receitas, mas por engenheiros com fórmulas. Uma fórmula de sucesso combina baixo custo de produção, vida longa na prateleira e sabor viciante.

    A validade esticada se obtém com substâncias conservantes e técnicas de embalagem. Quanto ao sabor e ao preço pífio, não há conflito algum entre os dois predicados: a indústria pega pesado no sódio, na gordura, no açúcar, na farinha branca.

    Completam o feitiço os aditivos químicos, empregados tanto para disfarçar defeitos quanto para emprestar graça ao insosso. As fórmulas industriais são diabolicamente eficazes, o cálculo preciso daquilo que cativa o paladar mediano.

    As crianças são as presas mais fáceis do docinho, do salgadinho, do cremoso, do crocante, dos aromas de tutti-frutti e de baunilha. Uma vez abduzidas por bolachas recheadas ou pelas balas tecnicolor, difícil trazê-las de volta.

    A