25 maio2022

    ‘Carne do futuro’ parece aposta, mas pode ser só um espalhafatoso voo de galinha

    Leia também

    Contagem regressiva para o show de Maria Gadú em Aracaju

    A cantora Maria Gadú está de volta a Aracaju...

    Supermercado realiza Festival de Marcas Exclusivas até dia 31 de maio

    São mais de 100 itens, incluindo alimentos, bazar, higiene...

    Um brinde ao café

    No dia Dia Nacional do Café, que tal celebrar...

    Rancho de São João RioMar

    RioMar Aracaju abre a temporada de festejos juninos e...

    Parece carne. Tem gosto, cor e textura de carne. O hambúrguer de mentira, feito de vegetais, nunca esteve tão próximo do boi.

    Nas tais “carnes do futuro”, sai a esponja insossa de soja e entram substâncias extraídas de beterrabas, leveduras e outras plantas, fora os segredinhos industriais de cada marca.

    Pensado para onívoros, porém, o produto é a pior experiência para um vegetariano —justamente porque faz lembrar a carne.

    O maior impulsionador da novidade é a Amazônia. Em meio ao debate ambiental, a culpa por estar comendo a maior floresta do mundo fez surgir um novo tipo de consumidor, o consciente —e, com ele, uma indústria preparada para supri-lo, não com escovas de dente de bambu, mas com investimentos bilionários em uma “nova carne”, que causaria menos impactos.

    Isso atraiu a atenção de grandes fundos, de bancos e até da indústria do boi, que, ao mesmo tempo em que enfileira porcos e frangos agonizando, faz hambúrgueres vegetarianos.

    O paradoxo não tem relevância. A estratégia é atender ao consumidor que se sensibilizou com o desmatamento e o aquecimento global, mas não quer se tornar vegetariano.

    Esse frenesi do mercado, no entanto, faz surgir o medo de uma bolha vegana. Se a demanda não acompanhar os investimentos, corre-se o risco de naufrágio, exatamente como ocorreu com o leite vegetal, a última grande aposta de comida sustentável.

    Em resumo, no começo dos anos 2000, iniciou-se um debate sobre o leite e os resíduos de agrotóxicos e de antibióticos nele. O leite vegetal ganhou terreno, a soja virou a bola da vez e a indústria surfou.

    Mas se percebeu um descompasso entre demanda e oferta —em palavras diretas, a bebida era saudável, mas o gosto era ruim. Estudos ainda apontaram possíveis efeitos na regulação hormonal, até hoje em discussão, e a soja virou vilã.

    No pior dos cenários, o hambúrguer vegetal pode trilhar o mesmo caminho. O preço elevado, fruto da produção cara, pode não ajudar na popularização dele entre a classe média, motor do consumo no Brasil, mas cada vez mais pobre.

    ​A busca por sabor, cor e textura perfeitos pode levar ainda a um produto processado demais, a ponto de fazer o consumidor torcer o nariz. O jargão “plant-based” mascara, mas é difícil —como já provou a soja— resistir a uma bateria de estudos e reportagens sobre os malefícios e benefícios de qualquer lançamento.

    No caso de queda das “carnes vegetais”, o consumidor pode ainda seguir por outro caminho, de preferência por opções menos processadas e mais ligadas à produção local. Pior seria aprender a conviver com a culpa dentro do prato.

    Caso o hambúrguer vegetal dê mesmo seu espalhafatoso voo de galinha, vale a lei do mercado —ganha quem investe e recolhe seus ativos na hora certa. A revolução da comida, afinal, era apenas um bitcoin para ser comido no pão.

    Fonte feed: Via Feed Folha de S.Paulo