quarta-feira, abril 17, 2024

‘Carne do futuro’ parece aposta, mas pode ser só um espalhafatoso voo de galinha

Leia também

Parece carne. Tem gosto, cor e textura de carne. O hambúrguer de mentira, feito de vegetais, nunca esteve tão próximo do boi.

Nas tais “carnes do futuro”, sai a esponja insossa de soja e entram substâncias extraídas de beterrabas, leveduras e outras plantas, fora os segredinhos industriais de cada marca.

Pensado para onívoros, porém, o produto é a pior experiência para um vegetariano —justamente porque faz lembrar a carne.

O maior impulsionador da novidade é a Amazônia. Em meio ao debate ambiental, a culpa por estar comendo a maior floresta do mundo fez surgir um novo tipo de consumidor, o consciente —e, com ele, uma indústria preparada para supri-lo, não com escovas de dente de bambu, mas com investimentos bilionários em uma “nova carne”, que causaria menos impactos.

Isso atraiu a atenção de grandes fundos, de bancos e até da indústria do boi, que, ao mesmo tempo em que enfileira porcos e frangos agonizando, faz hambúrgueres vegetarianos.

O paradoxo não tem relevância. A estratégia é atender ao consumidor que se sensibilizou com o desmatamento e o aquecimento global, mas não quer se tornar vegetariano.

Esse frenesi do mercado, no entanto, faz surgir o medo de uma bolha vegana. Se a demanda não acompanhar os investimentos, corre-se o risco de naufrágio, exatamente como ocorreu com o leite vegetal, a última grande aposta de comida sustentável.

Em resumo, no começo dos anos 2000, iniciou-se um debate sobre o leite e os resíduos de agrotóxicos e de antibióticos nele. O leite vegetal ganhou terreno, a soja virou a bola da vez e a indústria surfou.

Mas se percebeu um descompasso entre demanda e oferta —em palavras diretas, a bebida era saudável, mas o gosto era ruim. Estudos ainda apontaram possíveis efeitos na regulação hormonal, até hoje em discussão, e a soja virou vilã.

No pior dos cenários, o hambúrguer vegetal pode trilhar o mesmo caminho. O preço elevado, fruto da produção cara, pode não ajudar na popularização dele entre a classe média, motor do consumo no Brasil, mas cada vez mais pobre.

​A busca por sabor, cor e textura perfeitos pode levar ainda a um produto processado demais, a ponto de fazer o consumidor torcer o nariz. O jargão “plant-based” mascara, mas é difícil —como já provou a soja— resistir a uma bateria de estudos e reportagens sobre os malefícios e benefícios de qualquer lançamento.

No caso de queda das “carnes vegetais”, o consumidor pode ainda seguir por outro caminho, de preferência por opções menos processadas e mais ligadas à produção local. Pior seria aprender a conviver com a culpa dentro do prato.

Caso o hambúrguer vegetal dê mesmo seu espalhafatoso voo de galinha, vale a lei do mercado —ganha quem investe e recolhe seus ativos na hora certa. A revolução da comida, afinal, era apenas um bitcoin para ser comido no pão.

Fonte feed: Via Feed Folha de S.Paulo