segunda-feira, abril 15, 2024

Festas Juninas: aprenda cinco receitas típicas para fazer quermesse em casa

Leia também

Fábio Snoozer apresenta-se neste domingo no Shopping Jardins

Músico é atração do projeto Viva Música O cair da...

Trupe Guaraná apresenta show de mágica neste fim de semana

Espetáculos gratuitos acontecem neste sábado e domingo, 13 e...

Roupa Nova anuncia sessão extra em Aracaju no dia 22 de maio

Após os ingressos do show se esgotarem com apenas...

Um a cada três bares em Sergipe opera no prejuízo; saiba os motivos

A pesquisa é da Associação Brasileira de Bares e...

Mais um ano em que a pandemia do coronavírus impede o brasileiro de participar de uma das festividades de que mais gosta: a junina. Quermesses e arraiás, mais do que uma ocasião de festa são um momento de provar quitutes especiais, que muitas vezes são consumidos apenas naquela época do ano.

Para acalentar o coração dos sedentos pelas barraquinhas de comida, separei pelo segundo ano seguido algumas receitas do meu repertório —e da minha família— para dar ao leitor opções para fazer sua festa junina no conforto do lar e sem aglomerações.

A história desta festividade tem origem na celebração lusitana dos santos (Antônio, João e Pedro). No entanto, por aqui, ganhou cores gastronômicas quando começou a se espalhar pelo país e ser associada a alimentos de zonas produtoras. É muito comum que quermesses em regiões diferentes tenham como quitutes comidas típicas do local em questão, com destaque para o milho.

Apesar das iguarias feitas a partir de grão reinarem em muitas quermesses, hoje, resolvi usar outros ingredientes: mandioca, arroz, feijão e churrasco são as estrelas da festa junina que proponho, uma quermesse com ares típicos brasileiros, mas que pode também ser uma bela refeição, com espaço até para o café com bolo.

Fique em casa, vamos para a cozinha e viva São João!


BOLO DE MANDIOCA COM COCO

Doces açucarados estão na base da confeitaria nacional, muito por conta da influência portuguesa. Aqui o tripé das confluências que responsáveis por grande parte do que entendemos por culinária brasileira se completa, com a mandioca (usada desde sempre pelos indígenas) e o coco (de uso africano). O bolo de mandioca é uma das comidas típicas do país que tomou as barracas de quermesse.

Dificuldade: Fácil

Rendimento: 20 pedaços

Ingredientes

1 kg de mandioca descascada

200 g de coco fresco ralado

2 xícaras (chá) de açúcar

50 g de manteiga

3 ovos

1 xícara (chá) de leite integral

3 colheres (sopa) de farinha de trigo

Manteiga e farinha de trigo para untar e enfarinhar

ARROZ CARRETEIRO

De procedência gaúcha, o prato é sinônimo de conforto e ótima refeição de um prato só, que pode ser comida em cumbucas. De acordo com Ana Luiza Trajano em “Básico – Enciclopédia de Receitas do Brasil”, o nome vem de “carreta” ou “carroça” e designa a comida de viajantes que cruzavam os pampas para estabelecer seus ranchos. Eles levavam panela de ferro, carne salgada e preparavam o alimento com o arroz que encontravam pelo caminho.

Ingredientes

2 xícaras (chá) de arroz agulhinha

400 g de carne-seca dessalgada em cubos

1 linguiça calabresa média

2 colheres (sopa) de azeite

2 folhas de louro

1 cebola média

3 dentes de alho

2 tomates

1 xícara (chá) de salsinha

Sal e pimenta-do-reino a gosto

ESPETINHO DE LINGUIÇA COM CHIMICHURRI

Quem é de São Paulo sabe que o churrasquinho já é tão típico de festas juninas como arroz doce, pé de moleque e canjica. Para incrementar o famoso espetinho de linguiça, proponho aqui um acompanhamento que não é nosso, mas da vizinha Argentina. O chimichurri é uma espécie de vinagrete, perfeito para acompanhar carnes e que vai muito bem com a nossa cara farofa.

Dificuldade: Fácil

Rendimento: 8 pessoas

Ingredientes

8 linguiças frescas

1/2 maço de salsinha

2 colheres (sobremesa) de orégano seco

2 dentes de alho

1 pimenta dedo-de-moça sem semente

2 colheres (sopa) de vinagre

1 colher (sobremesa) de sal

1 xícara (chá) de azeite

ARROZ DOCE

Um dos pratos mais conhecidos da época das festas juninas, o arroz doce que conhecemos aqui é provavelmente uma derivação de uma receita doce portuguesa. No entanto, muitos países têm sua versão da iguaria. Quanto à origem, pode ter vindo da Pérsia, onde o grão era cozido com leite e temperado com especiarias e mel. Muitas receitas usam gemas ou leite condensado, mas optei por fazer o doce tal qual minha avó materna ensinou: com pouco açúcar e muita canela.

Dificuldade: Fácil

Rendimento: 8 pessoas

Ingredientes

1 e ½ xícara (chá) de arroz agulhinha

6 colheres (sopa) de açúcar

1 pedaço de casca de laranja

750 ml de leite integral

2 cravos-da-índia

1 pedaço de canela em pau

Canela em pó a gosto

CALDINHO DE FEIJÃO

O feijão está no centro da mesa do brasileiro e, como as festas juninas acontecem quando as temperaturas estão mais amenas, nada mais justo do que tomar caldos quentes para alegrar o estômago e a alma. O caldinho de feijão pode ser feito da forma que o comensal preferir, mas a adição de uma pimentinha (e do bacon) fazem toda a diferença.

Dificuldade: Fácil

Rendimento: 8 pessoas

Ingredientes

300 g de feijão preto

1 folha de louro

1 cebola média

3 dentes de alho

2 talos de cebolinha

1 pimenta dedo-de-moça sem sementes

Sal a gosto

8 fatias de bacon

3 colheres (sopa) de azeite

Juliana Ventura, 36, é jornalista formada pela PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), pós-graduada em gastronomia pela Universidade Anhembi Morumbi e professora de culinária para crianças.

Instagram: @venturanacozinha

Fonte feed: Via Feed Folha de S.Paulo