25 maio2022

    Rappi é o aplicativo de delivery que melhor se adaptou à pandemia, segundo ranking

    Leia também

    Contagem regressiva para o show de Maria Gadú em Aracaju

    A cantora Maria Gadú está de volta a Aracaju...

    Supermercado realiza Festival de Marcas Exclusivas até dia 31 de maio

    São mais de 100 itens, incluindo alimentos, bazar, higiene...

    Um brinde ao café

    No dia Dia Nacional do Café, que tal celebrar...

    Rancho de São João RioMar

    RioMar Aracaju abre a temporada de festejos juninos e...

    Dizem que guardar coisas é típico dos taurinos, mas não há como negar que as embalagens de comida, nestes tempos de delivery em alta, ganharam um grau de capricho capaz de seduzir o zodíaco inteiro.

    Dá pena descartar potes e kits de entrega, mesmo as caixinhas de madeira e papelão, que são pensados para trazer à mesa uma pitada de alegria. Essa comida tão bem empacotada chega às nossas mãos, cada vez mais, pelos aplicativos —e dos entregadores esperamos, além da diligência, o cuidado com o seu manuseio.

    Eleita a melhor no quesito adaptação à pandemia, a Rappi reduziu a taxa de cobrança de restaurantes, distribuiu itens de segurança para os entregadores e, além disso, ampliou o leque de estabelecimentos conveniados e de produtos para entrega.

    De comida para gatinho a passagem aérea, tudo vem pelo aplicativo, que também leva o usuário ao site do governo paulista sobre vacinação.

    Só que, num país onde a vacinação anda a passos lentos, o uso da máscara de proteção, ao lado da higienização das mãos, é o que, na prática, evita o contato com o vírus —e isso precisa ser lembrado todos os dias aos entregadores.

    Restaurantes, bares, entidades setoriais e empresas de delivery deveriam, num esforço conjunto, sensibilizar, treinar e orientar os entregadores para que não descuidem do uso correto e constante da máscara, que protege a eles próprios e ao consumidor.

    Debaixo de sol ou de chuva, subindo ou descendo a ladeira, trabalhando por horas a fio, não deve ser fácil ficar de máscara o tempo todo, menos ainda mantê-la limpa, cobrindo tanto a boca como o nariz.

    Ainda não chegou o momento de relaxar. Negar a importância de se proteger é uma atitude irresponsável, que não deve ser imitada por ninguém, mesmo que o (mau) exemplo venha de cima.

    Quem entrega e quem recebe, ninguém deve tirar a máscara do rosto. Nem mesmo depois de vacinado.

    Fonte feed: Via Feed Folha de S.Paulo