24 maio2022

    Biólogo descobre trufas brasileiras que valem R$ 6 mil o quilo

    Leia também

    Rancho de São João RioMar

    RioMar Aracaju abre a temporada de festejos juninos e...

    Influenciadora digital Ludja Victória participa do “Sal e Brasa Convida”

    A influenciadora digital Ludja Victória foi a convidada da...

    Influenciadora digital Giulia Thalia conhece as delícias do Mirante

    A influenciadora digital Giulia Thalia foi conhecer as delícias...

    Tac Tacs chega ao RioMar Aracaju trazendo o parque ‘A Fazendinha’

    Criados pelo Grupo Blitz, empresa especializada em gerar trabalho...

    Impossíveis de serem cultivadas (e justamente por isso), as trufas estão entre as iguarias mais caras e cobiçadas do mundo.

    Essa espécie de fungo cresce em poucos países e as mais valiosas são as trufas negras francesas e as brancas italianas, cujo quilo pode custar até 3 mil euros (cerca de R$ 18 mil).

    Ao contrário do que se imaginava, porém, o raro produto também pode ser achado no Brasil. Quem fez a descoberta foi Marcelo Sulzbacher, doutor em biologia de fungos e cultivo de trufas e fundador da Terroir Sul, empresa especializada na comercialização de cogumelos

    Sulzbacher encontrou as trufas nacionais pela primeira vez em 2016, em plantações de nogueiras-pecã nas cidades de Santa Maria e Cachoeira do Sul, no Rio Grande do Sul.

    Desde então, o biólogo vem apresentando quantidades limitadas da iguaria para chefs renomados, como Alex Atala e Mara Salles – e eles têm aprovado a variedade brasileira, que foi batizada de Sapucay e se destaca pelas notas de castanhas e macadâmias.

    E, neste ano, elas passarão a chegar a mais mesas. Em parceria com a Paralelo 30, empresa que produz nozes-pecã, Sulzbacher conseguiu aumentar a produção e pretende vender sua Sapucay por R$ 6 mil o quilo.

    Ainda está longe de ser um produto barato, claro. Mas já será mais acessível e mostra que o Brasil pode entrar no seleto clube de produtores de trufa – que hoje conta com China, Espanha e EUA, além da França e Itália.

    (*) Da redação da Menu

    Fonte feed: Via Feed Revista Menu