25 maio2022

    Posso beber depois de vacinar? Especialista esclarece sua dúvida

    Leia também

    Contagem regressiva para o show de Maria Gadú em Aracaju

    A cantora Maria Gadú está de volta a Aracaju...

    Supermercado realiza Festival de Marcas Exclusivas até dia 31 de maio

    São mais de 100 itens, incluindo alimentos, bazar, higiene...

    Um brinde ao café

    No dia Dia Nacional do Café, que tal celebrar...

    Rancho de São João RioMar

    RioMar Aracaju abre a temporada de festejos juninos e...

    A pergunta que não sai das nossas cabeças, quando vamos tomar a vacina e se podemos beber depois de tomar a vacina? A resposta é um pouco desanimadora para quem gosta de algumas rodadas de cerveja e drinks, como explica o médico especialista em doenças autoimunes, reumatismos e patologista clínico, Carlos von Muhlen.

    Segundo o especialista, para se proteger dos efeitos indesejados do álcool enquanto o organismo produz anticorpos após se vacinar, é recomendado seguir a ‘regra de 3’.

    REGRA DE 3: Não consumir bebidas alcóolicas 3 dias antes de se vacinar e nem nos 3 dias depois da aplicação. A recomendação vale para as duas doses, ou seja, o processo deve ser feito tanto na 1ª, quanto na 2ª.

    “Assim você estará com as máximas possibilidades de desenvolver proteção contra a COVID-19 que a vacina aplicada poderá lhe proporcionar”, finaliza Dr. von Muhlen.

    1. Diminuição da atividade no sistema imune 

    “Ao reduzir todas as rotas do sistema imune, que levam à formação dos anticorpos protetores, você estará desfavorecido em relação à eficácia da vacina”.

    2. Mais vulnerável a reações alérgicas
    “Está comprovado que quem ingere álcool e toma qualquer vacina tem maior número de reações alérgicas, possivelmente, acontecendo. Não é interessante se expor à possiblidade de ter alergias de pele ou, até mesmo, uma anafilaxia. Que são alergias graves, as quais podem acometer inclusive a pressão do sangue. Por exemplo, quando a pressão abaixa muito, a pessoa pode ter um choque anafilático”.

    3. Aumento da inflamação geral do organismo
    “A pessoa poderá ter mais efeitos colaterais indesejáveis já na 1ª dose e, mais ainda, na 2ª dose”.

    4. Menor formação de anticorpos
    “A menor proteção da vacina se origina na baixa dos anticorpos”, explica o médico.

    Fonte feed: Via Feed Etílicos.com