25 maio2022

    A história por trás do Vernon

    Leia também

    Contagem regressiva para o show de Maria Gadú em Aracaju

    A cantora Maria Gadú está de volta a Aracaju...

    Supermercado realiza Festival de Marcas Exclusivas até dia 31 de maio

    São mais de 100 itens, incluindo alimentos, bazar, higiene...

    Um brinde ao café

    No dia Dia Nacional do Café, que tal celebrar...

    Rancho de São João RioMar

    RioMar Aracaju abre a temporada de festejos juninos e...

    Como dois almirantes da marinha mercante inglesa trouxeram para o nordeste brasileira uma bebida criada a bordo de seus navios

    Por Luciano Moreira

    Na segunda metade do séc. XVIII a marinha mercante inglesa navegava pela costa da América do Norte e Central, regiões onde a Inglaterra possuía muitas colônias. Um almirante de muito prestígio, o lord Edward Vernon andava preocupado com o consumo excessivo de álcool nas embarcações, bem como com uma doença que matava milhares de marinheiros, o escorbuto, causada pela carência de vitamina C. Ele era conhecido como Old Grog, devido um casacão pesado que vestia nas viagens, chamado “grogsgrain”.

    A solução que o almirante encontrou para seus dois problemas foi o de misturar na porção diária de rum que os marinheiros recebiam água, limão, gengibre e açúcar. Isso bastou para diminuir a bebedeira e prevenir o escorbuto. Essa bebida recebeu o apelido do almirante, se difundiu por toda a frota inglesa e chegou aos lugares mais longínquos, como a costa africana, Austrália e Índia. O Grogue se popularizou por ser uma bebida barata e saborizada e a expressão passou a ser usada para denominar o estado de embriaguez.

    Um outro almirante inglês, muito prestigiado por suas habilidades náuticas e de estratégias de guerra foi um dos responsáveis pela difusão do Grogue pelo mundo conhecido. O lord Thomas Cochrane, além de outros países, ajudou nas lutas pela independência do Brasil atuando fortemente no nordeste. Como toda marinha mercante inglesa já utilizava o Grogue em seus navios, o lord Cochrane acabou trazendo a “bebido do Vernon” para cá, recebendo esse nome no Brasil. Suas andanças foram mais pelas bandas do Maranhão, mas há registro de incursões pelos rios Capiberibe e São Francisco, chegando até Petrolina. Não é de se espantar que o “Vernon” tenha se espalhado pela região Nordeste, já uma grande produtora de cachaça na época, devido aos seus canaviais e usinas de açúcar. Já não se vê mais o Vernon nos bares, senão em alguns lugares remotos do interior do Nordeste, mas é bebida histórica e popular.

    Um residual Vernon Maçã, direto do Bar da Sopa, na Rua Porto da Folha esquina com Rua Laranjeiras