25 maio2022

    Só os tiranos têm medo de comida envenenada, por Cozinha Bruta

    Leia também

    Contagem regressiva para o show de Maria Gadú em Aracaju

    A cantora Maria Gadú está de volta a Aracaju...

    Supermercado realiza Festival de Marcas Exclusivas até dia 31 de maio

    São mais de 100 itens, incluindo alimentos, bazar, higiene...

    Um brinde ao café

    No dia Dia Nacional do Café, que tal celebrar...

    Rancho de São João RioMar

    RioMar Aracaju abre a temporada de festejos juninos e...

    Para quem gosta de história, de comida e encara uma leitura longa em inglês, sugiro o e-book “How to Feed a Dictator” (“Como Alimentar um Ditador”), lançado no ano passado pelo jornalista polonês Witold Szablowski.

    O autor entrevistou cozinheiros de cinco célebres autocratas do século 20: Saddam Hussein (Iraque), Idi Amin Dada (Uganda), Enver Hoxha (Albânia), Fidel Castro (Cuba) e Pol Pot (Camboja). Destes, três eram paranoicos com a possibilidade de serem envenenados pelo próprio chef.

    O aparato de vigilância da Albânia –o mais fechado dos regimes da Cortina de Ferro– hoje soa ridículo como o sapatofone de Maxwell Smart, o pateta Agente 86 da série satírica criada por Mel Brooks nos anos 1960.

    O cozinheiro de Hoxha depôs sob anonimato, pois ainda teme represálias. Nos dias plúmbeos, ele não tinha autonomia nem para quebrar um ovo sem a aprovação de um comitê de burocratas.

    O homem, uma vez, foi visitar a mãe no interior do país. A cada vez que saía da casa da velha, topava com uma dupla de agentes fingindo ler jornal num carro estacionado. Dava-lhes “bom dia” e era cumprimentado de volta.

    Saddam exigia que uma amostra de cada prato fosse armazenada numa geladeira que seus jagunços guardavam. Se ninguém da família passasse mal em questão de dias, a comida ia para o lixo.

    Após a guerra de 1991, Saddam replicou o esquema noia nas dezenas de palácios que mandou construir pelo país.

    Para zonzear perseguidores, ele dormia uma noite em cada lugar –mas todas as cozinhas funcionavam a pleno vapor sete dias por semana, e os cozinheiros nunca sabiam se o patrão estava lá ou não.

    Otonde Odera, chef de Idi Amin, escorregou pelos fundos do palácio quando um dos filhos do ditador comeu quilos de arroz doce e passou mal. Ele levou o rapaz para o médico do presidente, enquanto o pai atirava no teto e jurava vingança pelo envenenamento.

    Eram gases. O alívio veio com um “tremendo peido”, nas palavras de Odera.

    A obstrução abdominal do brasileiro Jair é sólida e perfeitamente compatível com complicações decorrentes da facada que o furou em 2018. Ainda assim, paira no ar uma boataria fétida sobre envenenamento.

    O broto da conspiração surgiu semana passada, quando um cozinheiro gaúcho se queixou da possibilidade (nunca confirmada) de precisar preparar o pasto presidencial.

    Na mesma rede social, um comentarista aleatório propôs purgante na comida do ilustre visitante. O estábulo reagiu: pronto, querem assassinar o Minto.

    Na quarta-feira (14), dia da internação do presidente, o youtuber Rodrigo Constantino levantou lisamente a lebre do envenenamento. No dia seguinte, esparramou-se a cascata de que um exame apontou chumbo no sangue de Bolsonaro. O conto está contado.

    Só temem comida envenenada os tiranos. Eles dormem e acordam com o próprio carma, sabem que o ódio e a traição lhes respingarão fatalmente –por vezes, de modo literalmente fatal. Para nós, pessoas comuns, é algo que nem nos passa pela cabeça.

    (Siga e curta a Cozinha Bruta nas redes sociais.  Acompanhe os posts do Instagram, do Facebook  e do Twitter.)

    Fonte feed: Via Feed Cozinha Bruta