25 maio2022

    Da mortadela do PT à refeição completa do golpe fascista de Bolsonaro, por Cozinha Bruta

    Leia também

    Contagem regressiva para o show de Maria Gadú em Aracaju

    A cantora Maria Gadú está de volta a Aracaju...

    Supermercado realiza Festival de Marcas Exclusivas até dia 31 de maio

    São mais de 100 itens, incluindo alimentos, bazar, higiene...

    Um brinde ao café

    No dia Dia Nacional do Café, que tal celebrar...

    Rancho de São João RioMar

    RioMar Aracaju abre a temporada de festejos juninos e...

    A direita brasileira inventou, com sucesso, o apelido de “mortadela” para os manifestantes que iam à rua apoiar os governos do PT antes da deposição de Dilma Rousseff.

    A lógica era a seguinte: sem ter coisa melhor a fazer, os “vermelhos” lotavam os protestos em troca de um humilde pão com mortadela. Demofobia pura e simples, mas colou muito bem.

    Agora, para as manifestações golpistas deste 7 de setembro, há a suspeita de que caciques do agronegócio e até dinheiro público estejam bancando acampamento e refeições para os tios do zap e policiais milicianos que querem impor uma ditadura bolsonarista.

    Não se ouve, no canto direito do tabuleiro, uma crítica ao “estímulo” alimentar para as manifestações. Uma falta moral grave nos outros é apenas método para eles. Sintomático.

    Numa terra arrasada em que as pessoas deixaram de comer carne para tomar sopa de osso com arroz quebrado, é notável a evolução da mortadela petista para a refeição completa do golpe bolsonarista.

    (Siga e curta a Cozinha Bruta nas redes sociais.  Acompanhe os posts do Instagram, do Facebook  e do Twitter.)



    Fonte feed: Via Feed Cozinha Bruta