25 maio2022

    Feijoada, moqueca, baião de dois: como harmonizar vinhos com comida brasileira

    Leia também

    Contagem regressiva para o show de Maria Gadú em Aracaju

    A cantora Maria Gadú está de volta a Aracaju...

    Supermercado realiza Festival de Marcas Exclusivas até dia 31 de maio

    São mais de 100 itens, incluindo alimentos, bazar, higiene...

    Um brinde ao café

    No dia Dia Nacional do Café, que tal celebrar...

    Rancho de São João RioMar

    RioMar Aracaju abre a temporada de festejos juninos e...

    Prato Baiao de dois

    Baião de dois, um dos pratos que é a cara do Brasil harmoniza com vinhos tintos portugueses e ainda do Vale do São Francisco (Foto: divulgação)

    Por Marjorie Zoppei* 

    É verdade que a bebida fermentada de uva começou a frequentar as mesas cotidianas do brasileiro há pouco tempo. Por isso, é comum pensar em cerveja ou caipirinha quando falamos do trivial arroz com feijão ou de clássicos como feijoada e picadinho.

    Um dos principais objetivos da harmonização é fazer com que o encaixe entre comida e vinho consiga valorizar ambos os lados. Incluir o vinho na refeição brasileira pode parecer desafiador, mas existem alguns fatores que precisam ser levados em conta.

    Para o prato, pense na proteína, nos temperos, na concentração de sal e de gordura, na acidez e no amargor. Cada um desses itens (ou aquele que prevalecer) deve casar com as características do vinho: acidez, teor alcoólico, intensidade do corpo, taninos e doçura. Com todas essas informações em mãos, é como montar um quebra-cabeça. Veja algumas dicas:

    Feijoada

    Feijoada
    (Foto: divulgação)
    Casa Venturini Tannat
    Casa Venturini Tannat (Foto: divulgação)

    Além de ter muitos elementos, o prato também inclui diversos acompanhamentos, como arroz, farofa, couve, vinagrete, etc. Aqui, existem duas alternativas. A primeira é seguir a regra da união por contraste: por ser um alimento gorduroso e com notas defumadas, combina com um espumante encorpado e de acidez elevada. A outra é seguir com um tinto de corpo com média intensidade e boa estrutura tânica, como os vinhos elaborados com a uva tannat.

    Eu fico com a segunda opção, como o Casa Venturini Tannat Reserva 2017. Os uruguaios são craques em valorizar o potencial da uva tannat, mas a região da Campanha Gaúcha se mostrou um terroir com muitas virtudes que se espelham ao território vizinho.

    Moqueca baiana de camarão

    Moqueca de Camarao
    (Foto: divulgação)
    GUASPARI chardonnay 2018
    Guaspari Chardonnay 2018 (Foto: divulgação)

    O crustáceo tem sabor leve e delicado. Adicione ao preparo o azeite de dendê e o leite de coco. Para que todos esses sabores sejam ressaltados, aposte em um branco da uva chardonnay, mas que tenha passado por barricas para ganhar peso e untuosidade.

    A sugestão é o paulista Guaspari Chardonnay Vista do Lago 2018, da cidade do Espírito Santo do Pinhal, que foi fermentado em barris de carvalho e estagiou sobre as borras finas (partículas da uva e leveduras) por 14 meses. Isso rendeu complexidade à bebida, mas a manteve fresca, com aromas de frutas cítricas e brancas, além de um final de boca bastante persistente. Agora, a decisão de incluir o coentro na receita fica por sua conta!

    Baião de dois

    Alicante bouschet gran reserva
    Rio Sol Alicante bouschet (Foto: divulgação)

    É a cara do Brasil: uma mistura de arroz e feijão, enriquecido com bacon, linguiça, carne seca, queijo coalho, alho, cebola, tomate e ervas frescas. Contém muito sabor e boa dose de gordura. Portanto, pode pensar em casar com um tinto com certo toque rústico, bom teor alcoólico e leve toque de madeira, como são os vinhos portugueses do Alentejo ou do Dão.

    Mas já que estamos falando de um prato nordestino, por que não fazer uma combinação regional? O Rio Sol Gran Reserva Alicante Bouschet é produzido no Vale do São Francisco, na cidade de Lagoa Grande, em Pernambuco. Imponente, marcante e elegante, passou por nove meses em barrica carvalho francês e tem 13% de álcool. Uma das maiores surpresas do ano.

    Picadinho

    Picadinho
    (Foto: divulgação)
    Pedras pinot noir
    Pedras Altas Pinot Noir (Foto: Pedras Altas)

    O nome do prato já rima com vinho: embora tenha sido difundido nos botecos de São Paulo e do Rio de Janeiro, hoje o picadinho tem uma roupagem mais elaborada, feito a partir de carnes nobres, como filé mignon e alcatra, e caramelizado com um caldo aveludado que também leva vinho no preparo.

    Na harmonização, o tinto é o único candidato, mas ele deve ser simples para não roubar a cena. Prove com o Pedras Altas Pinot Noir 2018, elaborado na Serra do Sudeste, no Rio Grande do Sul. Esse vinho tem mais estrutura que um pinot noir comum, mas com estilo que remete a exemplares da Borgonha.

    Frango com Quiabo

    Frango com quiabo
    (Foto: divulgação)

    De raiz mineira, talvez seja o mais complexo de combinar com vinho. Embora o frango seja uma carne leve, é preciso levar em consideração o tempero picante e o leve amargor do quiabo. A mistura vai bem com um branco da uva gewürztraminer, que tem bom volume de produção na Campanha Gaúcha.

    Espumante Garibaldi Moscatel
    Moscatel Garibaldi (Foto: divulgação)

    Outra opção é um syrah feito na Serra da Mantiqueira, que tem boa acidez e pouco tanino. Para fugir do óbvio, eu fico com um espumante moscatel, como Garibaldi Moscatel, da Serra Gaúcha. Esta junção contrasta a doçura da bebida com a intensidade de sabores da comida. E as borbulhas dão o toque festivo à refeição!

    *Sobre Marjorie

    Marjorie Zoppei, jornalista e amante de descobrir os melhores vinhos ao redor do mundo (Foto: divulgação)

    Escolheu o jornalismo ainda na adolescência, mas foi apresentada à gastronomia por acaso. Com passagem pela Editora Abril e Folha de S.Paulo, atualmente é diretora de redação da revista Sociedade da Mesa, publicação do clube de vinhos pioneiro no Brasil. É daquelas pessoas que têm sempre uma taça em mãos e disposição para descobrir o que está por vir. Siga em @mzoppei, no Instagram.


    Fonte feed: Via Feed Viagem e Gastronomia