23 maio2022

    Os 7 erros da picanha bem passada de Bolsonaro, por Cozinha Bruta

    Leia também

    Influenciadora digital Ludja Victória participa do “Sal e Brasa Convida”

    A influenciadora digital Ludja Victória foi a convidada da...

    Influenciadora digital Giulia Thalia conhece as delícias do Mirante

    A influenciadora digital Giulia Thalia foi conhecer as delícias...

    Tac Tacs chega ao RioMar Aracaju trazendo o parque ‘A Fazendinha’

    Criados pelo Grupo Blitz, empresa especializada em gerar trabalho...

    Troca de material reciclável por árvores frutíferas

    Troca de árvores frutíferas e oficina de consumo consciente...

    Na sua histórica passagem por Nova York, o presidente Jair Bolsonaro foi a uma churrascaria brasileira –para honrar sua tradição de manifestar nojinho por qualquer cultura alimentar estrangeira.

    Na churrascaria, pediu picanha bem passada. Um crime churrasqueiro hediondo, mas ainda o menor dos erros cometidos na viagem de Bolsonaro aos EUA. Segue a lista de mancadas, em ordem crescente de gravidade.

    1. Comer picanha bem passada

    Qualquer um que respeite o churrasco sabe que picanha deve ser comida malpassada ou, vá lá, ao ponto.

    Não que o bem passado seja sempre um erro: algumas carnes, como a costela e o cupim, precisam cozinhar por muito tempo para ficarem macias. Já a picanha, se passa do ponto, se resseca.

    1. Comer picanha na churrascaria

    É muito clichê e muita falta de imaginação. Há vários cortes, tanto do dianteiro quando do traseiro do boi, a se experimentar –ainda mais quando se está na gringa.

    Faz sentido um americano pedir picanha, pois essa carne não é comum por lá. Mas a obsessão por picanha é coisa de brasileiro tosco. E Jair é o mais tosco dos brasileiros.

    1. Comer numa churrascaria brasileira nos Estados Unidos

    Por falar em brasileiro tosco, isso é típico da espécie em viagens ao exterior. Não deu 12 horas em solo estrangeiros, quer churrasco. Quer arroz com feijão. Quer coxinha, pão de queijo, paçoca e chocolate ruim. Em troca de comida nacional de péssima qualidade, despreza até o banquete servido pelo imperador do Japão.

    1. Comer num puxadinho na calçada

    Os donos da churrascaria, amigos da corriola do presidente, acionaram o jeitinho brasileiro em plena Nova York.

    Como é preciso ser vacinado para ser atendido dentro do restaurante, eles montaram uma tenda na calçada –toda preta pra que ninguém importunasse os nobilíssimos clientes.

    Não me parece algo regular: alguns restaurantes têm área de varanda, mas em qualquer cidade isso exige trâmites burocráticos para obter a licença. Não é algo que se decida em cinco minutos. Alô, Bill de Blasio! Multou os caras?

    1. Ser admitido na ONU sem vacina

    Vacilo imperdoável das Nações Unidas. Como deixam o cara entrar em vacina para espalhar mentiras, propaganda tosca e perdigotos? Aliás, como as autoridades dos Estados Unidos permitiram entrar no país a pestilenta delegação brasileira?

    1. Ser presidente do Brasil

    Ainda hoje, toda manhã acordo pistola quando me lembro de que a eleição do Jair não foi só um pesadelo.

    O sujeito dá vergonha de ser brasileiro –e seus apoiadores empedernidos não ficam atrás.

    O pior é que ainda há gente supostamente sensata que tenta normalizar a besta. É só olhar algumas entrevistas que dão palco pra o sujeito a esta altura do campeonato.

    1. Existir Bolsonaro

    Todos os outros problemas têm (ou poderiam ter) solução. Este, parafraseando o próprio Jair, empaca nos três Is: é insolúvel, insuportável, irrevogável. Mas também é inegável que o mundo seria melhor sem a pessoa em questão. Ô, se ele seria!

    (Siga e curta a Cozinha Bruta nas redes sociais.  Acompanhe os posts do Instagram, do Facebook  e do Twitter.)



    Fonte feed: Via Feed Cozinha Bruta