terça-feira, março 5, 2024

Sergipe é o terceiro estado do país com maior geração de emprego no setor agropecuário

Leia também

Guylian traz novidade em sua linha para Páscoa

A marca de chocolate belga aumenta seu portfólio com...

Inscrições abertas para a Meia Maratona 21k Sergipe Run

Consolidada como uma das mais importantes corridas de rua...

10ª Edição do Café com Case discute o direito à cidade

Organizado por estudantes do quarto período do curso de...


De acordo com o último levantamento de dados, o estado apresentou um crescimento de 19,6% na geração de empregos no agronegócio em relação ao mesmo período do ano passado.

Em setembro de 2021, o setor agropecuário em Sergipe cresceu 19,6% na geração de empregos comparado ao mesmo mês do ano passado. É o que mostra a análise dos dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado pelo Ministério do Trabalho e Previdência.

Os números indicam que em setembro de 2020, a agropecuária em Sergipe apresentou um saldo total de 654 empregos, enquanto no mesmo período deste ano, foram somados 1.589 novos postos de trabalho. Ficando atrás apenas de Pernambuco com a criação de 5.957 novas vagas e Rio Grande do Norte (1.634).

Em Sergipe, o cultivo de cana-de-açúcar foi a atividade agropecuária que mais contribuiu para a criação de novas vagas em setembro, representando quase 90% dessas vagas. Do total de 1.589, somente a cana-de-açúcar somou 1404 empregos.

De acordo com o presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de Sergipe (Faese), Ivan Sobral, os dados refletem como é pujante o setor do agronegócio no estado. “O agro não parou e vem mostrando dados positivos na geração de emprego, Sergipe ocupou o terceiro lugar do Brasil, na geração de novos postos de trabalho em setembro e no acumulado deste ano já apresentou o maior crescimento entre todos os setores”, reforça.

Os dados são do Caged e coloca a agropecuária como o setor que mais cresceu no acumulado de janeiro a setembro de 2021, em Sergipe. De acordo com o levantamento, o agro cresceu 17,06%, a construção ( 8,25%), o comércio (4,72%), a indústria (2,97%) e os serviços (4,72%).

No Brasil, a agropecuária gerou, de janeiro a setembro deste ano, saldo positivo de 194.990 novos postos de trabalho, 8% do total de empregos com carteira assinada no país (2.559.594). É o que mostra o Comunicado Técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e ressalta que a agropecuária manteve o ritmo de criação de empregos em relação ao acumulado de janeiro a setembro do ano passado, quando gerou 104.410 novas vagas, enquanto setores como serviços e comércio, nos nove primeiros meses de 2020, acumulavam perda de 382.242 e 307.444 postos, respectivamente.