25 maio2022

    Obesidade: pesquisa aponta que brasileiro ganhou 6,5 kg na pandemia

    Leia também

    Contagem regressiva para o show de Maria Gadú em Aracaju

    A cantora Maria Gadú está de volta a Aracaju...

    Supermercado realiza Festival de Marcas Exclusivas até dia 31 de maio

    São mais de 100 itens, incluindo alimentos, bazar, higiene...

    Um brinde ao café

    No dia Dia Nacional do Café, que tal celebrar...

    Rancho de São João RioMar

    RioMar Aracaju abre a temporada de festejos juninos e...

    Parte da população cumpre promessas de fim de ano para emagrecer. O ritual popular agora tem comprovação mediante a pesquisa divulgada pela Ipsos Global Advisor: em média, o brasileiro teve um aumento de 6,5 kg desde o início da pandemia do coronavírus. Alteração na rotina, na alimentação e na falta de atividades físicas são as fontes geradoras do resultado assustador na balança.

    22 mil pessoas foram entrevistadas e o Brasil lidera o ranking, com 52% das pessoas afirmando o aumento de peso. Na sequência vem o Chile (51%) e a China está em último lugar (6%). A média global foi de 31% entre os países participantes.

    Para o cirurgião bariátrico, Dr. Raul Andrade, a obesidade se tornou um grande fator de risco para a covid-19. “De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica temos atualmente 10 milhões de brasileiros com recomendação de tratamento cirúrgico para diminuir essa outra pandemia que é a obesidade. Vários estudos denotam que a perda de peso dos pacientes através da cirurgia bariátrica reduziu em 48% o risco de mortalidade de covid-19. Além disso, 113% desses pacientes não precisaram ficar internados, diminuindo por consequência os quadros graves em UTIs e de intubação”, alerta o médico.

    Longe de ser uma cirurgia estética, Dr. Raul informa que a indicação da cirurgia metabólica ou bariátrica se deve a diversos fatores, não apenas quando há uma obesidade mórbida aparente. “Pacientes detectados com Obesidade grau 2 e com doenças associadas também estão aptos à cirurgia. Por exemplo: pacientes com diabetes tipo 2, hipertensos ou com quadros cardiovasculares, respiratórios comprometedores. Precisamos sempre avaliar no consultório e obter diagnósticos”, relata Dr. Raul.

    Realidade em Sergipe 

    No Estado, a Medicina vem evoluindo com os procedimentos mais seguros e modernos. A cirurgia robótica, por exemplo, já se tornou uma realidade no hospital São Lucas. O método cirúrgico acontece através do robô Da Vinci, cujo treinamento Dr. Raul participou nos Estados Unidos. “Já realizamos em Sergipe 442 cirurgias robóticas dentro de quatro especialidades. A bariátrica foi pioneira no método, pois desde outubro de 2019 estamos operando com o Da Vinci. É um procedimento preciso, onde manipulamos o robô para realização da cirurgia. Através de orifícios minimamente invasivos o procedimento acontece com menos risco de infecção hospitalar, precisão nos movimentos, recuperação significativa, com menos dor no pós-cirúrgico, além de menor tempo de internamento. Estes fatores contribuem demais para que o paciente retorne rapidamente para seus afazeres”, avalia o médico.

    A Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica (SBCB) contabilizou uma diminuição nos procedimentos desde o início da pandemia. Com a redução considerável das cirurgias eletivas, tal quadro de elevação do peso do brasileiro é um fator de saúde a ser considerado. Em 2019, 12.568 cirurgias bariátricas ocorreram em território nacional pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em 2020, apenas 3.772. A SBCB também tem o indicativo das cirurgias realizadas via planos de saúde. Frente aos 52.599 procedimentos realizados em 2019, a redução foi menor (11%) em comparação a 2020, com 46.419 bariátricas realizadas.