25 maio2022

    Bar da Dona Onça mantém estrogonofe no menu e volta atrás em protesto contra guerra na Ucrânia

    Leia também

    Contagem regressiva para o show de Maria Gadú em Aracaju

    A cantora Maria Gadú está de volta a Aracaju...

    Supermercado realiza Festival de Marcas Exclusivas até dia 31 de maio

    São mais de 100 itens, incluindo alimentos, bazar, higiene...

    Um brinde ao café

    No dia Dia Nacional do Café, que tal celebrar...

    Rancho de São João RioMar

    RioMar Aracaju abre a temporada de festejos juninos e...

    São Paulo

    O protesto contra a guerra na Ucrânia durou menos de 24 horas. Após afirmar na terça-feira (8) que retiraria seu famoso estrogonofe do menu, o Bar da Dona Onça voltou atrás e anunciou, pelas redes sociais, que o prato permanece no cardápio.

    A casa havia decidido deixar de preparar a receita como forma de chamar a atenção para o confronto, que começou em 24 de fevereiro, com tropas russas invadindo território ucraniano. A ideia era voltar com o item apenas quando a guerra terminasse.

    Em publicação feita no Instagram nesta quarta (9), porém, o restaurante comandado pela chef Janaína Rueda na região central de São Paulo disse que o prato permanecerá no cardápio e que, durante o mês de março, a renda da venda será revertida para o projeto Pão do Povo da Rua. O estrogonofe custa R$ 76.

    O Pão do Povo da Rua é um projeto social que entrega comida na região central da capital para pessoas que vivem na rua ou estão em situação de vulnerabilidade. Eles também têm uma padaria social no Bom Retiro. Rueda colabora como cozinheira no projeto desde o ano passado.

    Além de doar o valor das vendas para a organização, a chef irá entregar quentinhas de estrogonofe para a população de rua na praça Princesa Isabel, também no centro, uma vez por semana, durante o mês de março.

    O Bar da Dona Onça não foi o único restaurante da capital a usar o cardápio para protestar –mesmo que de forma simbólica– contra o conflito entre Rússia e Ucrânia. Outras casas, como Piselli e Tadashii entraram na onda global de cancelamento do país liderado por Vladimir Putin, mudaram nomes de receitas e trocaram marcas usadas na cozinha.

    Com isso, drinques como o badalado moscow mule foram rebatizados, enquanto a vodca russa deiixou as prateleiras e foi substituída pela sueca Absolut.

    Fonte feed: Via Feed Folha de S.Paulo