23 maio2022

    Racismo: bolo nega maluca vira afrodescendente e desagrada geral, por Cozinha Bruta

    Leia também

    Influenciadora digital Ludja Victória participa do “Sal e Brasa Convida”

    A influenciadora digital Ludja Victória foi a convidada da...

    Influenciadora digital Giulia Thalia conhece as delícias do Mirante

    A influenciadora digital Giulia Thalia foi conhecer as delícias...

    Tac Tacs chega ao RioMar Aracaju trazendo o parque ‘A Fazendinha’

    Criados pelo Grupo Blitz, empresa especializada em gerar trabalho...

    Troca de material reciclável por árvores frutíferas

    Troca de árvores frutíferas e oficina de consumo consciente...

    Nega maluca é o nome tradicional de um bolo de chocolate muito do ordinário –no sentido de comum, já me adianto em explicar, pois a pauta do dia é a interpretação das palavras.

    A massa leva farinha e chocolate (evidentemente), mais leite, óleo, açúcar e fermento químico. A calda é algo como um brigadeiro mais ralo.

    Uma padaria de São Paulo, após circular da sindicato patronal que desaconselhava o uso de termos ofensivos, decidiu rebatizar o bolo. A nega maluca virou bolo afrodescendente.

    O padeiro paulistano operou a façanha de desagradar todo mundo.

    “Achavam que a gente queria polemizar”, declarou Mauro César Proença à coluna de Monica Bergamo. Como não achar?

    O nome “bolo afrodescendente” rodopia em escárnio. Ainda mais com as letras “N.M.”, ao lado na etiqueta, que naturalmente não remetem a “Nogueira, Marcos”.

    Na trincheira dos reacionários, Proença pagou de frouxo que cedeu à lacração dos esquerdopatas identitários.

    Sergio Camargo, sempre ele a sabotar as causas de sua gente, tuitou:

    “Também estão na mira da patrulha politicamente correta a maria-mole, teta-de-nega e língua-de-sogra. Querem criminalizar bolos.”

    Salvo engano terrível, nenhum dos três artigos citados é bolo. Língua-de-sogra sequer é alimento –talvez ele tenha pensado no olho-de-sogra, beijinho de leite condensado com ameixa seca.

    Que seja olho ou língua… a sogra e a maria-mole me parecem zoeira tonta, embora eu realmente não saiba onde o calo pega para certas pessoas.

    Mas teta-de-nega, meu velho???

    Eu já soube da existência desse doce e a apaguei da memória –leseira, nada a ver com virtude bloqueadora. Trata-se de um merengue, disposto em forma cônica sobre uma base redonda de biscoito, e posteriormente coberto com chocolate.

    É o doce que a Kopenhagen vende há décadas sob o nome Nhá Benta. Aliásssssss…

    Serjão Camargo acha belezura que alguém entenda um merengue como o seio de uma mulher preta e se lambuze ao comer, cascando de rir, diversão salutar do homem branco meritocrata.

    Claro que ocorre certo exagero no revisionismo dos nomes das comidas. A imprensa portuguesa deitou e rolou porque, no Brasil, o iFood censurou a punheta de bacalhau e as batatas ao murro.

    Por justificativa, incentivo à violência e à lascívia desenfreada. O brasileiro é um otário que ridiculariza o português sem compreender patavina do senso de humor lusitano.

    A punheta e o murro têm duplo sentido, pois, mas ambas as preparações envolvem o uso do punho. Para amassar a batata e desfiar o bacalhau, sem sacanagem nem violência, sem ofender o punho.

    Quanto à tradição de botar nomes racistas em doces, o que custa mudar? O que custa chamar um bolo de chocolate comunzinho de “bolo de chocolate”? “Merengue com chocolate” fica até mais vendedor.

    Não é razoável seguir pisoteando mulheres negras para preservar a tradição dos doces criados na casa grande. Mudar é fácil e indolor.

    E grátis.

    (Siga e curta a Cozinha Bruta nas redes sociais. Acompanhe os posts do Instagram e do Twitter.)

    LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

    Fonte feed: Via Feed Folha de S.Paulo