8 agosto2022

    O Brasil me obriga a parar de beber, por Cozinha Bruta

    Leia também

    RioMar Astral: o evento faz parte das homenagens do shopping ao Dia dos Pais

    RioMar Astral Em sua terceira edição, o evento gratuito irá...

    Shopping Jardins Online presenteia o consumidor com vinho português

    Nesta segunda-feira, 8 de agosto, os pedidos a partir...

    Mamaço alerta para a importância da amamentação

    Iniciativa do Hospital e Maternidade Santa Isabel acontece nesta...

    Sou privilegiado, não nego, sei disso.

    Nunca passei fome na vida e espero nunca passar.

    Não obstante, a subida louca dos preços da comida tem me obrigado a mudar hábitos alimentares que eu gostaria de poder manter. Imagino que muitos de vocês, colegas de privilégio, se encontrem em situação semelhante.

    Já faz tempo que só mastigo filé mignon quando janto a convite –um privilégio bastante específico do jornalista de gastronomia. Picanha? Pfffffffff! Tem anos que a minha geladeira não a vê.

    A exemplo de muitos outros brasileiros, substituí a carne de boi por frango, ovo e porco. Linguiça is the new bife.

    No supermercado, tornei-me cliente prime fidelidade plus da prateleira de alimentos na bica da data de vencimento. É um negócio péssimo para se comprar leite e pão de forma, mas funciona bem para determinados artigos.

    Queijos duros, por exemplo. Eles têm validade porque a lei assim exige. Embaladinhos a vácuo, na geladeira, duram mais que muito relacionamento por aí.

    Ontem, mesmo, meti na sacola um queijo manchego, espanhol, de R$ 39,99 por menos de dez contos. El Duque de La Polvorosa, que nome estupendo.

    Troquei de café por um tipo mais ordinário, que também ficou caro demais. Aí rebaixei de novo, para marca mais fuleira. Mesma coisa com o azeite, o óleo de cozinha e o papel hig… fiquemos só na comida.

    Abandonei, com dor no coração, o creme de leite fresco. Faço algumas receitas com o creme UHT, de caixinha, inferior. Só que tudo tem limite: se for para estragar a comida com emulsão de soro de leite, gordura vegetal e maisena, melhor abraçar o veganismo.

    E tome inflação do tomate, da cenoura, da cebola, inflação do leite e do queijo, inflação da carne. Já está anunciada a inflação da cerveja. Ah, pronto! O mesmo Brasil que nos obriga a beber agora vai nos forçar a parar de beber. Encarar a seco esse pesadelo vai ser treta.

    Reclamo, mas passo bem. Não preciso recorrer