quarta-feira, fevereiro 21, 2024

Barulho de queima de fogos pode gerar traumas e até óbito de animais, alerta especialista 

Leia também

Aracaju recebe a exposição ‘O Fantástico Mundo Marinho’

Exposição "O Fantástico Mundo Marinho" chega ao RioMar Aracaju...

Pré-Caju 2024 será lançado no dia 22 de março

Durante a solenidade, serão anuciadas a programação e demais...

Semana do Cinema: Shoppings Jardins e RioMar terão sessões com ingressos a R$12

A promoção, idealizada pela FENEEC e a ABRAPLEX, acontece...

Veterinário explica que algumas ações podem amenizar o sofrimento dos bichinhos 

Em épocas de festas de fim de ano, como o tradicional Réveillon, é muito comum as pessoas comemorarem soltando fogos de artifício. A luz e o barulho podem ser uma atração para os seres humanos, mas podem assustar, e muito, cachorros, gatos e outros animais como vacas, porcos e cavalos. Por conta disso, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) defende que fogos de artifícios com estampidos sejam proibidos e, gradativamente, substituídos por fogos sem ruídos. 

O médico veterinário Allan Rezende explica que o estouro provoca estímulos auditivos e visuais muito maiores nos animais de que nos seres humanos. “Esse tipo de artefato tem efeito sonoro muito grande para os animais, pois eles têm uma sensibilidade auditiva muito grande, sentem ameaça, provocando transtornos, deixando-os assustados, agitados e com medo”, alerta o doutor em Biotecnologia e professor do curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário Ages, que integra a Ânima Educação. 

Assustados, os animais apresentam algumas características, como postura abaixada, rabo encolhido, tremores e buscam, principalmente, esconder-se em locais mais escuros e calmos. “Há um risco muito grande quando os fogos são soltos, pois temos animais com problemas no coração, com comorbidades e quando há um estímulo pode inclusive causar um óbito”, destaca. 

Para lidar com o problema, Rezende dá as seguintes dicas: os tutores podem colocar os animais em locais fechados, isolados, fechar a porta do quarto, colocar lençóis ou toalhas nas janelas para minimizar o barulho e deixar o local mais confortável e tranquilo possível. Outra dica é ligar o ventilador ou ar condicionado para abafar o barulho externo provocado pelas explosões.    

“É importante, ainda, manter o animal identificado, pois, se ele fugir, maior é a chance de ser encontrado. Manter o animal por perto do tutor pode ajudar a acalmá-lo. Passear com o cachorro e brincar com o gato para que eles possam cansar pode ser uma forma de deixá-los relaxados para que se preocupem menos com o barulho”, acrescenta. 

O professor de Medicina Veterinária da Ages também pontua que podem ser utilizadas medicações, mas somente com prescrição médica. “Muitos medicamentos podem trazer reações adversas, principalmente a animais que já possuem alguma doença, pois eles podem ter algum tipo de reação ainda mais prejudicial. Por isso, a prescrição pelo médico veterinário é fundamental”, sinaliza. 

Sobre a Ages 

A Ages nasceu há 40 anos com o objetivo de levar educação de qualidade para o interior do Nordeste e dar oportunidades para pessoas que muitas vezes não tinham nem o direito de sonhar. Com suas raízes fincadas em Paripiranga (BA), a instituição também marcou seu lugar nos municípios baianos de Tucano, Jacobina, Irecê e Senhor do Bonfim e na cidade sergipana de Lagarto. Em 2019, a Ages se integrou à Ânima Educação, ecossistema com mais de 300 mil alunos e quase 20 anos de história.  

Atualmente, a Ages conta com mais de 150 cursos de graduação e pós-graduação; e soma 104 estrelas (distribuídas em 33 cursos) na edição 2022 do Guia da Faculdade, plataforma que avalia cursos de ensino superior país afora.